Emblema da
38ª Companhia de Comandos
"Os Leopardos"


CONVÍVIOS

38ª Companhia de Comandos — "Os Leopardos"
 
O Almoço da Diáspora

No passado Sábado, 8 Agosto realizamos o nosso já habitual almoço dedicado a quem não pode comparecer na reunião anual do passado dia 20Junho. Connosco o Mario Rui e Família o Ogando, companheiros que labutam em pontos distantes deste epicentro que é a Tabanca do Bucelas, mais o “Rodinhas” e cerca de duas dezenas de “Leopardos” e amigos que responderam à chamada. Alem destes os nossos Ilustres convidados: o nosso Comandante de Batalhão, Coronel Comando Raul Foques, o Tenente Coronel Marcelino da Mata, TCor Horácio Santos, o Senhor Padre Comando Fernando Mota e o nosso mais recente amigo Horácio Mourão. Antes de mais o meu sincero agradecimento pela hospitalidade do Casal Martins dos Santos que num poiso edílico nos continuam a brindar com estas “facilidades”. O início da reunião permitiu-me o privilégio de dirigir aos presentes algumas palavras apropriadas às circunstâncias e que quero aqui transcrever, juntando-lhe pensamentos não expressos na altura, reflexões que nos enchem o espirito nestes momentos. Ao Comandante, ao Amigo a alegria de o termos connosco e o recordar que tal como a 38ªCC foi a última Companhia de Comandos (Europeia) que combateu na Guiné, tínhamos a honra de ter connosco o último Comandante do Batalhão de Comandos da Guiné que Comandou o BCmdsG em operações de combate.

De seguida a minha comunicação foi para o Senhor Padre Comando Fernando Mota, a quem agradeci a disponibilidade para estar ali naquele momento pronto a iniciar uma cerimónia Religiosa, recordando que ao longo da Comissão na Guiné a 38ªCC, deu sempre testemunho da sua Fé, não faltando nos tempos mais críticos ocasião para nos juntarmos e com ou sem Capelão conduzirmos momentos de oração de agradecimento e esperança e de renovada confiança na missão. Transmiti-lhe também o meu agradecimento pelo apoio que sempre senti ao longo da minha carreira pelos diferentes capelães e a satisfação de nas mais variadas circunstancias se cumprirem Serviços Religiosos fosse no alto das Montanhas da Península ou na mais afastadas guarnições ou acampamentos por onde tinha passado durante a Guerra.

Continuei saudando o Mário Rui e família, salientando uma amizade baseada no reconhecimento do valor desde cedo começado a revelar. Curiosamente voltando quarenta anos atras apraz-me recordar que o Mario Rui, comandante a 1ª equipa do 3º Grupo de Combate, cruzou-se muitas vezes comigo nas mais variadas vezes em que estivemos cara a cara com o inimigo. Estas situações vividas com a seriedade testemunhada pela restante equipa transmitiram-nos ao longo dos anos sentimentos de admiração e confiança que perduram e que nos motivam a que sempre que surja oportunidade nos desloquemos para recordar tais acontecimentos. Bem Hajam.

As palavras seguintes foram para o Herói Nacional Marcelino da Mata, em crioulo disse-lhe que era nossa família e que poderia contar com a 38ªCC para ultrapassar a difícil situação que atravessa. Sabemos que El-Rei há quinhentos anos atrás, olhou para o lado e não viu que o nosso Maior Poeta, passava dificuldades e foi um Criado da Guiné que lhe garantiu o sustento nos últimos dias de vida, penso que a História não se vai repetir, tenho confiança que aprendemos com os erros do passado e uma solução há-de estar a caminho…

A impressionante história do Horácio Mourão, Comando, das terras do Alvão e Marão foi objecto da continuação da minha intervenção, não só pela determinação e espirito com que enfrenta a sua situação de ferido gravemente em combate mas por ser também apanágio das gentes daquela cadeia de montanhas que a Norte nos rodeiam e que começam em Castro Laboreiro, passam pela Cabreira, Gerês e terminam naquelas Serras Trasmontanas onde o aforismo de “antes quebrar que torcer” ainda vigora e que tão bem está fixado no grito de Guerra do 13 de Infantaria: “Palpita um peito de aço,… do 13 nem um passo à retaguarda…” e que recordei por durante uma comissão ter apreendido no local(Vila Real) aqueles valores… faço votos que a solidariedade já antevista nesta reunião dê frutos e que no próximo anos possamos ver o Horácio a voar para outros voos.

Terminei a comunicação dando voz à abertura do WSite na internet da 38ªCC, surpresa conduzida pelo Amilcar Mendez, que com o seu empenho e entusiasmo e com a colaboração de uma equipa de todo preparada nos vai proporcionar um meio de nos fazer chegar a muito mais gente e certamente reforçará os laços que a todos nos unem.

O convivio seguiu com a Santa Missa, e depois com uma sardinhada à boa maneira Portuguesa. A todos os presentes o meu muito obrigado por mais uma vez terem dado cordas às botas e dizerem Aqui Estamos…

Mamasumae
PF


Album de fotografias I

Album de Fotografias II


Trigésima Oitava Companhia de Comandos
A Sorte Protege os Audazes
Guiné 1972 - 1974

Alguns dos conteúdos disponíveis neste website podem chocar pessoas mais sensíveis.
Recomendamos discrição na visualização dos mesmos.

Todos os direitos reservados © 2015.