Emblema da
38ª Companhia de Comandos
"Os Leopardos"


TESTEMUNHOS E CONTRIBUTOS

38ª Companhia de Comandos — "Os Leopardos"

 

Símbolos Militares
Boinas, Emblemas e Crachás

 

Aos meus companheiros da 38ªCompanhia de Comandos mas também a todos os outros que comigo serviram e compartilharam esforços tanto no Ultramar como no Continente.

O que me traz aqui hoje pretende ser uma breve reflexão sobre o assunto em título, numa tentativa de expor e clarificar a forma como ele deve ser entendido.

Todos sabeis que frequentei a Academia Militar na primeira metade da década de sessenta do seculo passado (já sou entradote) tendo iniciado o meu período de combatente em 1967 e terminado em meados de 1973. Com a CCaç 1639, com a 20ª Companhia de Comandos, no Centro de Instrução de Comandos de Angola e convosco reparti estes anos onde aprendi a pôr em prática o que anteriormente me ensinaram e onde também ensinei, formei e liderei muitos combatentes com que tive a Honra e o Privilégio de servir Portugal.

Desde a primeira comissão que me apercebi que para além dos emblemas que estavam em uso no Exército no princípio da Guerra, outros rapidamente entraram em vigor conjugados com os novos fardamentos adaptados ao conflito que fomos obrigados a travar. Uns e outros traziam a lume algo que tem a ver com espirito de corpo, mais alem com o moral das tropas que a todos interessava cuidar. Eram emblemas com desenhos e inscrições que emulavam quem com garbo e orgulho os exibiam nos locais destinados que os novos uniformes, com destaque para os camuflados, permitiam. No peito de cada militar, longe de casa, da família, das namoradas algo lhes aumentava o ânimo e coragem para enfrentar os sempre difíceis dois anos que por norma duravam as comissões.

Ainda hoje na carta convite que me enviou o Batalhão 1901 de que a CCaç1639 fazia parte, comunicando a realização do próximo almoço lá aparece o logotipo com o lema “Excelente e Valoroso”, o que mostra a importância que estes “Distintivos” mereciam, já quase cinquenta anos passados e ainda em utilização.

A entrada nos Comandos alargou este meu conhecimento que aqui se juntou à vontade de conquistar os símbolos da especialidade.
Ao tempo apercebi-me que havia a esperança que algum dia seriamos autorizados a usar uma boina própria de que efémeras tentativas feitas por pelo menos duas Companhias de Comandos, dão disso conta. Então os ventos eram muito parcos de inovações e tivemos que esperar que um novo regime trouxesse novas marcas e outros sinais.

No Exército, os Comandos foram a primeira Força a quem foi permitido usar a boina de cor diferente num processo que pelo menos teve dois momentos isto é alem dos elementos Comando, houve um período em que também os restante pessoal do Regimento usou a boina vermelha.
Mas hoje estou aqui para vos falar da forma como o processo aconteceu no CIOE, nossa casa inicial onde decorreu a instrução da 38ºCC.
Aí aprendeste a disparar todas as armas e em especial a G-3, individualmente e em equipa, utilizando a pista de combate de Lalim onde grossas penedias deixaram boas marcas nos vossos cotovelos e joelhos. Com a ajuda dos instrutores fostes ensinados a não disparar para o chão pois poderiam ficar feridos nem a disparar para o lado pois poderiam atingir os companheiros de equipa.

Os ensinamentos mantem-se até hoje. No dia-a-dia continuamos a viver com os mesmos ideais com que nos formamos e combatemos.
Recordo-vos como por norma iniciávamos os nossos dias na Guiné, fosse nos quarteis das vilas/cidades de Mansoa ou Teixeira Pinto ou na aldeia indígena de Gampará hasteando a nossa querida Bandeira e lendo o Código Comando a que se seguia a GE no terreno junto à rede de arame farpado que nos separava da mata, onde às vezes se acoitava o nosso inimigo. Quantas vezes a bola com que jogávamos o “brutebol” não ultrapassou a rede?

Mas porque vem tudo isto? Tudo tem a ver com a nossa condição de veteranos combatentes. Continuamos a não poder dar tiros nos pés nem disparar contra quem está ao nosso lado. Devemos manter a nossa união como geração que enfrentou com coragem as vicissitudes da guerra, deixando às gerações mais novas um legado de respeito e não de quezílias e querelas que não levam a lado nenhum.

Acima falo-vos dos incentivos que nos moviam. Não era certamente a boina pois ainda não existia, mas certamente a cerimónia matinal era a materialização daquilo que nos animava. Algumas vezes acompanhada pela entrega de armamento ou para honrar a memória daqueles que ao nosso lado deram o melhor que tinham de si. Foi com este espirito que vivemos e o cultivamos mesmo nas circunstâncias mais difíceis que aqui vos recordo. Honrar a nossa Bandeira ou os nossos Símbolos, toda a 38ªCC o sabe muito bem, principalmente quando é feito longe dos holofotes, dos média etc., etc…e a este propósito recordo aqui as palavras do Senhor:

“ Sobre a cadeira de Moisés sentaram-se os escribas e os fariseus. Observai, pois, e fazei tudo o que eles vos disserem, mas não imitem as suas acções, porque dizem e não fazem. Atam cargas pesadas e impossíveis de levar, sobre os ombros dos outros homens, mas nem com um dedo as querem mover. Fazem todas as suas obras para serem vistos pelos homens. Trazem mais largas as filactérias e mais compridas as franjas dos seus mantos. Gostam de ter os primeiros lugares nos banquetes e as primeiras cadeiras nas sinagogas, das saudações na praça, e de serem chamados rabi pelos homens. ….”

As Operações Especiais também por direito próprio tiveram autorizado o uso de boina e insígnias específicas. No âmbito foi legislado e regulado em conformidade, o seu uso. Assim se procedeu e as primeiras tropas que tiveram o privilégio de no Exército usar a boina castanha (Caçadores Especiais) foram logicamente autorizadas a usar agora a boina verde “Seco” e o novo emblema da especialidade. Alem desta situação muitas outras inclusive a minha por ter sido instrutor e comandante da companhia que formava os ranger`s (e mais tarde Comandante de Batalhão de Operações Especiais, 2ºCmadt e Cmdt) com todo o fundamento já que eu não entenderia quem instrói e forma não tenha direito ao uso de símbolos que os seus novos subordinados passaram a ter por acção específica de quem conduziu a instrução.

Há muitos anos que sou sócio da Liga dos Combatentes da Grande Guerra, inscrito na Delegação de Lamego e com as cotas em dia.

Nas funções de Comandante da Unidade tive a Honra de poder convidar o General Director da LCC para em cerimónia solene aceitar receber os símbolos a que tinha direito conforme legislado e regulado. Com muita estranheza tomei conhecimento de que alguém, não sei com que autoridade resolveu contestar, passados cerca de vinte anos os factos e a sua legalidade. (a forma como se expressou fez-me lembrar o Evangelho que acima citei, acrescido de laivos de Santo Oficio…) Tenho visto muita coisa, eu sei que nisto de legalidades muita tinta tem corrido… mas prezo-me que nas nossas Escolas Militares os títulos que são atribuídos são-no de acordo com os méritos revelados por quem os recebe… poderá acontecer infelizmente que combatentes de valor não tenham sido devidamente assinalados, mas temos sempre a esperança que ao dobrar da esquina, a justiça pode corrigir omissão ou erros que a volatilidade dos tempos vividos permitiu acontecer.

Liga dos CombatentesFoto: C.M. Cascais

Pessoalmente transmito ao Digníssimo General Presidente da LCC que continuarei a sentir-me muito honrado por ver que continua a usar com todo o direito a sua boina com o símbolo de Operações Especiais a cuja entrega em cerimónia no CIOE tive o privilégio de testemunhar.

Para finalizar este apontamento adaptaria aqui as palavras do Poeta: “ três vezes à volta da praça andou e disse com que autoridade pois em causa aquilo que é foro meu?….”

Saibam pois meu Bravos Companheiros saber o que na realidade é importante….

PS: sinto-me muito satisfeito pela actual legislação não permitir que militares reformados possam usar os seus uniformes fora dos contextos próprios da Instituição. A revogação desta norma seria um primeiro passo para o regresso aos tempos conturbados que muito de nós, infelizmente tivemos que viver.


Victor Pinto Ferreira

Voltar Testemunhos da 38ª Companhia de Comandos


Trigésima Oitava Companhia de Comandos
A Sorte Protege os Audazes
Guiné 1972 - 1974

Alguns dos conteúdos disponíveis neste website podem chocar pessoas mais sensíveis.
Recomendamos discrição na visualização dos mesmos.

Todos os direitos reservados © 2015.